quarta-feira, 2 de junho de 2010

substantivo masculino singular, do latim amore.
Eu não te amo. O que eu sinto por ti ainda não tem nome. No dicionário de sentimentos cravado em mim, tem uma gravura tua como sinônimos de amor, mas não uma definição. O que eu sinto é indefinível, infindável e inquantificável. Não é sentimento, pois é algo nunca antes sentido, que nem nunca o será. É algo que cresce inexoravelmente, a ponto de, por vezes, fugir do controle. É algo sem nome ou explicação que, no entanto, desmente todas as certezas que colhi em todos esses anos, virando meu mundo de ponta a cabeça.

É a única certeza, mas também é uma dúvida. Eu nunca entendi ao certo, mas quando fico próximo a ti, pareço me aproximar da resposta para essa questão. Ainda vai demorar, mas algo me diz que vai chegar. E então, esse tempo não fará falta. Porquê até o pra sempre é curto em comparação com o tempo que isso vai durar.

Menina,
Eu não te amo. Isso é muito pouco.
O que eu sinto ainda não tem nome.
E, caso eu não o dê, nunca terá.
Pois isso é meu, que tu me deu. Nunca ninguém dará a outrém.

8 comentários:

  1. tah mara...gamei no teu texto....rsrsrs....fikou otm!!

    ResponderExcluir
  2. Nossa, que lindo. Gostei muito mesmo. *-*

    ResponderExcluir
  3. Me vi muito nesse texto. Mesmo sendo algo só teu, há coisas que eu poderia usar para definir a minha "situação"... Muito bom, mesmo! ;DD

    ResponderExcluir
  4. Mas é muito romântico e lindo esse guri! *--*
    Me impressiono cada vez mais com os teus textos.

    beeeijo ;*

    ResponderExcluir
  5. belíssimo texto, foi gostoso de ler ;)

    ResponderExcluir